terça-feira, 26 de junho de 2012

Texto de Adriana Vargas

Olá pessoal! No catalogo da Editora Modo, logo após as fotos do lançamento de alguns autores na Nobel aqui no Rio (em breve fotos), a autora Adriana Vargas dedicou um texto aos autores lançados. Compartilho esse texto com vocês agora.

"Escrever para mim, é mais do que as ilusões que as palavras transformam o meu motor combustor. É a presença de um Poder Superior se revelando através de um ser mortal, sujeitos aos tropeços da vida e paixões avassaladoras.
Não acredito em um retorno satisfatório que traduza este ato, e tão pouco em dinheiro algum, que me faça sentir melhor do que a mísera e cruel vida que levo para me declarar; me expor; transcender; GRITAR...
Escrever é não é se profissionalizar ou se converter aos padrões da massa capitalista - escravo que vende seus sentimentos e vive dos seus sonhos rabiscados, torpes, e muitas vezes sem sentido... Sem sentido, porque a única forma de entender o que sinto enquanto escrevo, é ter no sangue, única e exclusivamente, a arte livre, voando; escrevendo quando quero; quando me inspiro, sem a obrigação de minhas palavras se encaixarem em um modismo emergente.
É tão divino este dom, que escrevo até mesmo em momentos de desespero; decepções; frustrações... Escrevo quando não tenho dinheiro; quando perdi meu emprego, ou alguém que amei...
Escrevo para agradecer; para dizer - NÃO!Eu não concordo com você...
Escrevo pela a morte de um filho, ou pela perda de mim mesma...
Escrever é muito além do que ter o meu pé afundado no cimento de uma calçada da fama. É aquém, do que uma editora possa esperar de um pobre e louco autor, que não tem como pagar pelo seu sonho; um operário das letras que dorme e acorda na esperança e na fé de ter um dia um livro seu em suas mãos... um livro material, feito de papel, que poderia se queimar, folha a folha, e quanto a mim? Eu continuarei escrevendo... Não posso parar! Quando paro, estou morta; vegetando; sem cor e sem razão para viver.
Escrevo quando levo um NÃO diante de minha cara lavada e ousada - Você não se encaixa em nossa linha editorial!
NÃO!O seu projeto não tem o perfil do que buscamos!
NÃO!Não vou comprar o teu livro, você é desconhecido; nunca ouvi falar de você!!!
Continuo escrevendo, porque descobri que escrever, é muito mais do que um sonho. É a confiança de cada um que se arrisca a ler um pedaço de minha alma; engolindo-me com ou sem um gole d'água... Vocês me leem porque querem simplesmente; publicam-me sem saber... Sem pedir dinheiro ou sem me dar um orçamento para eu saber quanto valho.
Diante de tudo que tenho certeza, e diante das coisas que nada sei, apenas algo sinto e desejo arduamente - que este mesmo Poder Superior que me trouxe a escrita, não permita que eu esmoreça, e conserve em mim, a mesma inocência e simplicidade que tive ao escrever o primeiro livro, e deste modo, eu continuo escrevendo, parando, às vezes, para GRITAR aos incrédulos ou apenas sussurrar - escrever tem que ser por amor e devoção. O sonho se transforma, mas o amor pela arte é para sempre.
Obrigada por me fazerem crescer com vocês e por cada pedaço de sonho plantado juntos. Parabéns a todos os autores que confiaram em si e não desistiram.
Toda escrita tem um coração, e este nos move e nos guia até o final. Não importa o que houver, este coração estará batendo, eternamente..."



Beijos de La Fleur dy Lis 


Um comentário:

  1. Como não poderia deixar de ser, o texto de Adriana é lindo, mostrando que o autor de verdade, de alma, não quer saber de fama ou dinheiro, escreve por amor. Mesmo que nossos livros não vendam temos a certeza de que um autor é diferente das outras pessoas, pois de uma forma ou de outra, já foi eternizado.

    ResponderExcluir